Evangelho

O lamento de Deus no Antigo Testamento em relação ao povo do tempo dos profetas, encontramo-lo agora na boca do próprio Jesus em relação à gente do seu tempo, que podia escutar da própria boca do Filho de Deus a palavra da vida, e não a sabia apreciar. Com toda a sorte de desculpas, os ouvintes de Jesus esquivavam-se a escutá-l’O e a segui-l’O. Mas a Sabedoria de Deus, que encarnou em Jesus Cristo, triunfará da indiferença superficial dos que não Lhe prestam atenção, como crianças desatentas e caprichosas. 

Evangelho

A partir de hoje, quinta-feira da segunda semana, a segunda leitura, o Evangelho, refere-se sempre a João Baptista, o Precursor, que, na sua mensagem, chega à frente a preparar os caminhos para que os homens possam acolher o reino de Deus que vem. Ele encarna agora o papel de Elias, no princípio da Nova Aliança, como o último dos profetas do Antigo Testamento, Malaquias, tinha anunciado (Ml 3, 1). De facto, nada se perdeu da palavra de Deus proclamada nos tempos passados; em cada época ela ressoa de novo, para que, em cada tempo, os homens a possam ouvir. E ela sempre anuncia a vinda do Senhor. 

Evangelho

Já não é só o profeta que nos aponta o Senhor que nos vem salvar: é o próprio Senhor Jesus quem Se nos apresenta e nos convida a ir até Ele, que pode e quer dar alívio e consolação às nossas almas. Tanto o profeta como o Senhor vêm ao encontro da nossa fraqueza, trazendo-nos a força da esperança para sermos capazes de aguardar a sua vinda sem desfalecermos.

Evangelho

O que o profeta anunciou, a salvação do povo de Deus, Jesus o afirma de maneira bem clara nesta parábola, e sobretudo na palavra final, que não nos deixa dúvidas sobre a intenção última de todas as vindas de Deus ao encontro dos homens: o Senhor não quer que nenhum se perca, nem sequer “um só destes pequeninos!”

Evangelho

A leitura do Evangelho vem mostrar que as promessas do profeta (I leitura) se cumpriram em Jesus. O enfermo, jazendo no catre, é imagem de toda a humanidade entregue a si mesma, sem ter quem a salve. O encontro com Jesus foi para o enfermo a cura da doença, o perdão dos pecados, a fonte da alegria. E quem o presenciou soube reconhecer o dom de Deus e proclamar as suas maravilhas. Há-de ser assim a atitude de quem reconhece, no Filho de Deus que vem, o seu Salvador.