Evangelho

Jesus chama a atenção do fariseu que O tinha convidado para almoçar e fizera reparo por Ele não lavar as mãos, dizendo-lhe que o que purifica é o amor, que se manifesta na esmola, e não a água, que só se lança sobre as mãos. É, no fundo, uma lição sobre o sentido espiritual da religião, sem com isso pretender negar as suas expressões externas e as regras gerais da higiene.

Evangelho

Jonas, com a sua pregação, levou a cidade de Nínive à penitência; de modo semelhante, a sabedoria de Salomão atraiu, de longe, a rainha de Sabá; Jesus é maior do que Jonas e do que Salomão. Ele é o grande Sinal! Quem O reconhecer e a Ele se converter terá encontrado a salvação.

Evangelho

Uma vez mais, a parábola do banquete serve para simbolizar o reino de Deus. Jesus anuncia aos seus ouvintes que o Evangelho, por eles rejeitado, vai ser anunciado a outros, e, destes, muitos o hão-de aceitar. Não é já a raça de Abraão segundo a carne que há-de encher a sala do banquete, mas todos aqueles que, pela fé, se hão-de tornar filhos de Abraão. A todos os povos se abrem as portas do reino dos Céus.

Evangelho

É bom poder ouvir ao sábado esta palavra com a qual aquela simples mulher bendisse o Senhor de entre a multidão, e poder escutar da boca de Jesus aquela resposta que nos revela por que razão é bem-aventurada a sua Mãe: porque ouviu e guardou no coração, pela fé, a palavra de Deus antes de receber o Filho de Deus feito homem em seu ventre. Aquela primeira felicidade veio a desabrochar na segunda.

Evangelho

Jesus é o Filho de Deus, enviado pelo Pai. As suas obras manifestam que Ele trouxe ao mundo o reino de Deus; as suas obras não são obras do demónio, como queriam os seus inimigos. Quem assim as interpretasse, contradiria a verdade. Uma pequena parábola quer fazer-nos compreender a importância da vigilância na luta contra os espíritos do mal.